TRAVESSIA ALTO PALÁCIO – SERRA DOS ALVES



Grupo de travessia

Criada em 2015, a travessia Alto Palácio – Serra dos Alves é o primeiro roteiro dentro do parque liberado para visitação regularizada e faz parte de um projeto que visa a implantar algumas variantes de travessias dentro do Parque Nacional da Serra do Cipó (Projeto Piloto de Travessias no Parque Nacional da Serra do Cipó).


Vale do Rio visto do Travessão

Vale do Rio visto do Travessão

Nosso grupo, por ser formado por atletas experientes, optou por fazer o percurso em um único dia. Assim fomos apenas com a mochila de ataque, o que nos permitiu correr por quase todo o percurso, exceto nas subidas mais fortes. Essa trilha é considerada por muitos como uma das mais difíceis travessias da Serra do Cipó, e normalmente é realizada em 3 dias e 2 noites, da maneira como descreveremos nos parágrafos seguintes. São 40 km, em sua maioria cobertos por campos rupestres e rochas em altitudes que chegam a 1700 m. A beleza das paisagens chama a atenção durante todo o percurso.


Casa das Tábuas

Casa das Tábuas

Normalmente, os caminhantes andam 16 km no primeiro dia, passando pelo Travessão. O Travessão, parte da trilha que recebeu esse nome por ser o único ponto de passagem entre o vale do Rio do Peixe e o vale da Bocaina, era utilizado por tropeiros da estrada real que, passando por ali, evitavam descer e subir os imensos desfiladeiros dos vales. É um dos pontos de maior beleza da Serra do Cipó e se destaca pela sua imensidão. A primeira noite é na Casa de Tábuas, abrigo que oferece fogão a lenha, água potável e até algumas camas. O lugar é uma delícia e nos faz sentir em casa, vivendo uma outra época, como em um filme. Limpo e bem cuidado, é também margeado por um córrego com pequenas quedas d’agua e poços perfeitos para uma relaxada.


Pico do Curral


Casa dos Currais

No segundo dia, o percurso é o mais duro dos três. São apenas 11 km mas com muita subida e trilhas que chegam a desaparecer. A sinalização ajuda bastante mas é necessária a utilização de um GPS ou a ajuda de alguém que conheça bem a região. A trilha passa pelo Pico do Curral que, com 1700 metros de altitude, oferece uma vista incrível. De lá é possível ver a “Cabeça de Boi”, pedra que dá nome a um tranquilo vilarejo da região. Seguindo pelos campos e sempre no alto, chega-se à Casa dos Currais. Nesse abrigo, além de água potável, camas e fogão ainda há um chuveiro improvisado, uma horta e bastante mantimento.


Cânion Boca da Serra

As trilhas do terceiro dia começam em um platô e depois descem até a comunidade conhecida como Serra dos Alves. Nos 13 km finais, não menos bonitos que os anteriores, o caminho passa pelo Cânion Boca da Serra e pela Cachoeira dos Cristais, onde o caminhante pode dar aquela refrescada, já com a sensação de missão cumprida.


Capela de São José

Chegando a Serra dos Alves, é possível encontrar uma boa pousada, casas para alugar e comida deliciosa. Ainda dá para curtir o sossego de um lugar que parece ter parado no tempo. Um registro que também não pode faltar, é a Capela de São José, construída por volta de 1860 e decorada com imagens de grande valor histórico.

Importante: as vagas para a Travessia são limitadas a 30 pessoas por roteiro por dia.


Para mais informações envie um e-mail para parna.serradocipo@icmbio.gov.br

#travessia #aventura #corridademontanha #absolutafitness #humbertocouto #altodopalácio #serradosalves

26 visualizações0 comentário